Bem vindos ao Front

Instituto de Estudos Contemporâneos

China vai abalar o mundo inteiro, sobre agricultores e inteligência artificial

China vai abalar o mundo inteiro, sobre agricultores e inteligência artificial

Marc Vandepitte e Ng Sauw Tjhoi

Pela primeira vez na história recente, um país pobre e subdesenvolvido rapidamente se tornou uma superpotência econômica, com um grande impacto no mundo. Como isso foi possível e o que isso significa para o resto do mundo? Uma retrospectiva de 70 anos de mudanças na China.

Novamente no mapa mundial

Durante séculos, a China tem sido uma atração cultural e, junto com a Índia, um ator de destaque no cenário mundial. Após um século de colonização, humilhação e guerras civis internas, Mao Zedong colocou seu país de volta no mapa do mundo em 1949 e os chineses recuperaram sua dignidade.

Foi o início de uma ‘maratona de desenvolvimento de alta velocidade’ que abalaria completamente as relações mundiais. E como Napoleão Bonaparte previu: “A China é um gigante adormecido. Quando ele acordar, o mundo inteiro tremerá.

O milagre do crescimento econômico

No início da revolução chinesa, em 1949, a China era um dos países mais pobres e atrasados do mundo. A grande maioria dos chineses trabalhava na agricultura (geralmente primitiva). O PIB per capita era metade do da África Subsaariana e um sexto do da América Latina. Para dar uma oportunidade aos ideais revolucionários de igualdade em um ambiente mundial altamente hostil, era necessário alcançar um rápido crescimento econômico e tecnológico. Isso ocorrerá nos próximos 70 anos com tentativa e erro.

Depois de um período extremamente fechado e turbulento sob Mao Zedong – no qual foram realizadas campanhas controversas de massa como ‘o grande salto adiante’ e a “Revolução Cultural” – Deng Xiaoping chegou ao poder em 1978. Quase imediatamente, mas cautelosamente, ele empreendeu reformas econômicas e estabeleceu relações com vários países, incluindo, e notavelmente, os Estados Unidos.

Comparada à Europa Ocidental, a industrialização na China ocorreu quatro vezes mais rápido, com uma população cinco vezes maior (1). Setenta anos atrás, a economia chinesa era insignificante em todo o mundo. Em 2014, os chineses superaram os Estados Unidos como a maior economia (em termos de volume) e a China também se tornou o maior país exportador. Hoje existem 35 cidades chinesas com um PIB igual ao de países inteiros, como Noruega, Suíça ou Angola. Enquanto isso, o PIB da China é superior ao PIB combinado de 154 países. Em 2011-2012, a China produziu mais cimento que os Estados Unidos ao longo do século XX. O país constrói dez novos aeroportos todos os anos e possui a mais extensa rede ferroviária e rodoviária de alta velocidade do mundo. Hoje, exporta em seis horas o que exportou por um ano inteiro em 1978.

Grande salto tecnológico

A China não é apenas surpreendente em termos de evolução quantitativa. Em termos de qualidade, a economia chinesa também deu grandes passos adiante, um exemplo é o desenvolvimento tecnológico. Milhões de engenheiros, cientistas e técnicos se formaram nas universidades chinesas nas últimas décadas. Até recentemente, a China era vista como um imitador de tecnologia, mas hoje é um líder inovador que marca o caminho. Atualmente, a China possui o supercomputador mais rápido do mundo e está construindo o centro de pesquisa mais avançado do mundo para desenvolver computadores quânticos ainda mais rápidos. O país alcançou resultados impressionantes nos últimos anos no campo de mísseis hipersônicos, ensaios de processamento de genes humanos, satélites quânticos e, talvez o mais importante, inteligência artificial. O projeto Made in China 2025 visa reforçar essa inovação tecnológica em setores socioeconômicos vitais.

A China deve parte de seu progresso tecnológico ao roubo de propriedade intelectual? Sem dúvida, como é o caso em países como Brasil, Índia e México. Foi também graças ao roubo em larga escala de tecnologia da Grã-Bretanha e da Europa que os Estados Unidos foram capazes de desenvolver seu crescimento econômico até o nível de superpotência. Nas palavras de The Economist: “A transferência de conhecimento técnico dos países ricos para os pobres, de maneira justa ou injusta, é parte integrante do desenvolvimento econômico”.

Receita

A ‘dieta chinesa em rápida modernização’ contém alguns ingredientes notáveis:

  1. Os principais setores da economia estão nas mãos do governo, que também indiretamente controla a maioria dos outros setores, por exemplo, através da presença do controle do partido comunista na maioria das empresas (médias e grandes).
  2. O setor financeiro está sob rígido controle governamental.
  3. A economia é planejada, não em todos os detalhes, mas em geral, tanto a curto quanto a longo prazo.
  4. Há espaço para (bastante) iniciativa privada dentro de um mecanismo de mercado delineado que se desenvolve dinamicamente em vários campos econômicos; Os mecanismos de mercado são tolerados desde que não atrapalhem o alcance dos objetivos econômicos e sociais estabelecidos (no planejamento de longo prazo).
  5. Comparado a outros países emergentes, existe um alto grau de abertura ao investimento e ao comércio exterior, que devem estar alinhados com os objetivos econômicos globais.
  6. Um grande esforço está sendo feito no desenvolvimento de infraestrutura e em “Pesquisa e Desenvolvimento
  7. Os salários seguem em grande parte o aumento da produtividade, criando um mercado interno amplo e dinâmico
  8. Uma quantia relativamente grande é investida em educação, saúde e previdência social.
  9. O país desfruta de paz há décadas e há um nível relativamente alto de paz social no local de trabalho.
  10. A distribuição de terras agrícolas entre os agricultores no início da revolução e o sistema de registro de pessoas (Hukou) nos permitiram evitar o que aconteceu em muitos países do terceiro mundo: o típico êxodo rural caótico, que levou ao trabalho maciço informal e improdutivo.
  11. Ao contrário da União Soviética, a China não embarcou em uma corrida armamentista muito custosa com os Estados Unidos.

Essa política contrasta fortemente com a receita dos países capitalistas, onde governam o capital financeiro e as multinacionais, onde o lucro a curto prazo é o objetivo principal e a obsessão dos governos é eliminar os déficits orçamentários por meio de cortes. A maneira espetacular pela qual os chineses abordaram a crise financeira (2008) é típica da abordagem chinesa. O governo chinês lançou um programa para estimular a economia de 12,5% do PIB, provavelmente a maior da história em tempos de paz. A economia chinesa mal reagiu à crise, enquanto a economia europeia foi duramente atingida nos próximos dez anos.

A maior redução da pobreza na história do mundo

Em 1949, no início da revolução chinesa, a expectativa de vida era de 35 anos (2). Trinta anos depois, já havia dobrado para 68 anos (2) Hoje, a expectativa média de vida dos chineses é de 76 anos. Em termos de mortalidade infantil, os “70 anos da China” também teve boa pontuação. Se, por exemplo, a Índia oferecesse a seus habitantes os mesmos cuidados médicos e apoio social que a China, 830.000 crianças a menos morreriam a cada ano (3).

Entre 1978 e 2018, o país removeu um número recorde de pessoas da pobreza extrema: 770 milhões. Quase tanto quanto a população total da África Subsaariana. No ritmo atual, a pobreza extrema será erradicada em 2020. Segundo Robert Zoellick, ex-presidente do Banco Mundial, este é “sem dúvida o maior salto na história para superar a pobreza. Somente os esforços da China garantiram a consecução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio relacionados à redução da pobreza no mundo. Nós e o mundo temos muito a aprender com a China”.

Enquanto os salários em muitos países estagnam ou caem, na China eles triplicaram nos últimos dez anos. Quinze anos atrás, multinacionais ocidentais lotavam a China por salários baixos. O movimento reverso está começando a acontecer. Os salários médios na indústria chinesa são agora apenas 20% inferiores aos de Portugal. Países como Bulgária, Macedônia, Romênia, Moldávia e Ucrânia já tinham salários mínimos mais baixos do que a China em 2013.
Sombras sociais

Esta história de sucesso também tem suas desvantagens. O aumento mais rápido da produtividade na indústria e nos serviços, em comparação com a evolução da agricultura, causa uma enorme lacuna entre as áreas urbanas e rurais, entre as regiões mais pobres e as províncias costeiras mais ricas do leste. O rigoroso sistema Hukou (registro de residência individual determina o status social) causa um grande grupo (de centenas de milhões) de ‘migrantes internos’ que são frequentemente discriminados e têm menos direitos sociais. A política do filho único (desde 1978) resultou – além de sua natureza vinculativa – em numerosos abortos seletivos e em um excedente masculino de mais de trinta milhões, com todas as consequências sociais que isso implica.

Democracia: entrada e saída

Em muitos casos, o sistema político ocidental é considerado superior e é o único modelo abençoado. O que demonstra uma visão histórica ruim, quando se percebe que praticamente todos os regimes fascistas se desenvolveram no passado, no centro do modelo parlamentar ocidental. Qualquer observador imparcial também notará que a democracia ocidental serve principalmente aos interesses da camada superior de 1%. Que existe uma falta sistêmica de visão de longo prazo e que não existe uma política decisiva quando se trata de problemas sociais ou ambientais. Ultimamente, o sistema ocidental produz figuras cada vez mais ridículas, imprevisíveis e perigosas, como Trump, Johnson, Bolsonaro ou Duterte.

Ao falar sobre democracia, o Ocidente enfatiza o lado da entrada, a questão de como elas são tomadas e quem toma as decisões. Quais são os procedimentos para escolher a liderança política e se a vontade dos cidadãos é representada pelos representantes eleitos. As eleições são o elemento mais importante a esse respeito.

Na China, enfatiza o lado da saída, os resultados, isto é, as consequências das decisões: o processo de tomada de decisão é bem-sucedido e quem se beneficia? O resultado é primordial, o critério mais importante é um governo bom e justo (4). Nesse sentido, os chineses atribuem mais importância à qualidade de seus políticos do que aos procedimentos para eleger seus líderes.

Decisões políticas com características chinesas

Segundo Daniel Bell, especialista no modelo chinês, o sistema político chinês é uma combinação de meritocracia no topo, democracia na base e espaço para experimentar em níveis intermediários. Os líderes políticos são selecionados com base em seus méritos e, antes de chegarem ao topo, passam por um processo muito difícil de treinamento, prática e avaliação. Há eleições diretas no nível municipal e para os congressos provinciais do partido. As inovações políticas, sociais ou econômicas são testadas primeiro em pequena escala (algumas cidades ou províncias) e após avaliação séria e os ajustes necessários são aplicados em larga escala (5). Segundo Daniel Bell, essa combinação é “a melhor fórmula para governar um país desse tamanho enorme “.

Além disso, o governo central realiza periodicamente pesquisas de opinião que avaliam o desempenho do governo nas áreas de previdência social, saúde pública, emprego e meio ambiente, além de medir a popularidade dos líderes locais. Nesta base, a política é ajustada ou corrigida quando necessário.

O sistema chinês demonstrou sua eficácia nos campos social e econômico. Francis Fukuyama, que dificilmente pode ser suspeito de ter simpatia pela esquerda ou pela China, disse: “A principal força do sistema político chinês é sua capacidade de tomar decisões grandes e complexas rapidamente e de tomá-las relativamente bem, pelo menos no economia A China se adapta rapidamente, toma decisões difíceis e as implementa com eficiência. ”

Assim, em apenas dois anos, a China expandiu seu sistema de aposentadoria para 240 milhões de pessoas que vivem em áreas rurais, um número muito superior ao número total de pessoas cobertas pelo sistema de aposentadoria do estado dos EUA.

O governo chinês também tem um forte apoio popular. Cerca de 90% dizem que seu país está indo na direção certa. Na Europa Ocidental, esse número está entre 12 e 37% (a média mundial).

O Partido Comunista

A espinha dorsal desse modelo chinês é o Partido Comunista. Com seus mais de 90 milhões de membros, constitui a maior organização política do mundo. O fato de essa coluna ser útil ou mesmo necessária é demonstrado pelas proporções gigantescas do país. A China é do tamanho de um continente: é 17 vezes maior que a França e tem tantos habitantes quanto a soma das populações da Europa Ocidental, Europa Oriental, países árabes, Rússia e Ásia Central. Se olharmos para a China do ponto de vista europeu, isso significaria que o Egito ou o Quirguistão seriam governados a partir de Bruxelas. Dadas essas proporções, as grandes diferenças entre as regiões e os enormes desafios que o país enfrenta, é necessária uma forte força de coesão para manter o país governável e decisivamente gerenciável. The Economist: “Os líderes chineses acreditam que o país não pode permanecer unido sem um único sistema partidário tão forte quanto o de um imperador – e eles podem estar certos”.

O partido recruta as pessoas mais qualificadas. O processo de seleção para a promoção de cargos seniores é objetivo e rigoroso. Kishore Mahbubani, especialista na Ásia, diz: “Longe de ser um sistema ditatorial arbitrário, o Partido Comunista Chinês conseguiu criar um sistema regulatório forte e sustentável, nem frágil nem vulnerável. Ainda mais impressionante, esse sistema de regras pode ter produzido o melhor conjunto de líderes que a China jamais poderia ter produzido. ” Quase três quartos da população afirma apoiar o sistema de partido único.

Relações Internacionais

A economia da China tem sido bastante auto-suficiente no passado. O país conseguiu se dar ao luxo de viver isolado do mundo exterior e muitas vezes o faz. Mesmo à beira de seu poder imperial, a China difundiu sua cultura ao se envolver em relações diplomáticas e econômicas em vez de conquistar (militares) (6). Essa forma de política externa também é mantida na história recente. A China promove um mundo multipolar, caracterizado pela igualdade entre todos os países. Ele acredita que a soberania é a pedra angular da ordem internacional e rejeita toda interferência nos assuntos internos de outro país, por qualquer motivo. Isso muitas vezes leva a China a ser acusada de fazer muito pouco para combater violações dos direitos humanos em outros países. Seja como for, a China é o único membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas que não disparou um único tiro fora de suas fronteiras nos últimos 30 anos.

Globalização chinesa

Hoje em dia, a China já não é autossuficiente, pelo contrário. Com 18% da população mundial, possui apenas 7% das terras férteis do mundo e produz apenas 5% do petróleo do mundo. Além disso, o país produz muito mais bens do que consome. Por todas essas razões, a China agora depende muito da economia externa.

A inclusão da China no comércio mundial e também o ‘confinamento’ – em essência – militar dos EUA (veja abaixo) levou-o a tomar a iniciativa de construir uma Nova Rota da Seda, sob o nome de “Um cinturão, uma estrada’.

Hoje, mais de 1.600 projetos estão inscritos nessa iniciativa; obras de construção e infraestrutura, projetos de transporte, aeroportos e portos, mas também iniciativas de intercâmbio cultural. Centenas de investimentos, créditos, acordos comerciais e dezenas de Zonas Econômicas Especiais, no valor de 900.000 milhões de dólares, distribuídos por 72 países, representando uma população de aproximadamente 5.000 milhões de pessoas ou 65% da população mundial. Um cinturão, uma estrada “é sem dúvida o maior programa de desenvolvimento desde o Plano Marshall para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial.

Martin Jacques descreve a Nova Rota da Seda como “globalização para os chineses”. A iniciativa “Um cinturão, uma estrada” lembra muito a estratégia comercial da Holanda há 400 anos. O colonialismo britânico e francês estava literalmente em busca de novas terras, sociedades para subjugar e roubar sua riqueza. Amsterdã, por outro lado, promoveu um “império comercial e de crédito”. Eu não estava procurando território, mas negócios. Os holandeses construíram uma frota gigantesca de comerciantes, instalaram postos comerciais nas rotas principais e depois tentaram protegê-los. Como os holandeses no século XVII, a China atualmente possui a maior frota de comerciantes (7). As Zonas Econômicas Especiais “são guarnições comerciais nas cadeias de suprimentos internacionais que permitem à China garantir seu comércio sem a desordem da subjugação colonial”. diz Stratfor, um prestigiado grupo de especialistas.

Mudando as Relações Norte-Sul

O enorme crescimento da China no coração da Ásia atuou como um catalisador para todo o continente. O ponto de gravidade da economia mundial está se movendo rapidamente em direção às economias mais pobres da Ásia. Isso aumenta drasticamente a demanda por matérias-primas, o que, por sua vez, beneficia muitos países da América Latina e da África.

A industrialização do leste da Ásia mostra o padrão de “gansos voadores”. À medida que um país melhora economicamente, os salários aumentam e as tarefas de produção menos sofisticadas passam para as regiões mais pobres, com custos de mão de obra mais baixos. Isso aconteceu primeiro no Japão, depois na Coréia do Sul e Taiwan, e hoje esse processo está em pleno andamento na China. Devido aos salários mais altos, as empresas chinesas estão transferindo sua produção para países como Vietnã e Bangladesh, mas também cada vez mais para a África. Se esta tendência continuar, pode ajudar a construir uma base industrial no continente africano.

Confronto com os EUA

As revoluções socialistas não explodiram no coração do capitalismo, mas em seus elos mais fracos, nos países mais pobres e subdesenvolvidos. Um sistema social avançado teve que ser construído em sob uma base material fraca, o que resultou em muitos inconvenientes e contradições. Setenta anos depois, essa situação mudou drasticamente. O grande salto tecnológico e o espetacular crescimento econômico da China lançaram bases sólidas para a construção de uma sociedade socialista.

Washignton, é claro, não gostou disso. Pior ainda é o fato da China ameaçar superar os Estados Unidos economicamente. Esses dois fenômenos alimentam a “nova guerra fria” entre os Estados Unidos e a China e a ameaça de uma guerra “quente”.

No âmbito das discussões sobre o orçamento de 2019, o Congresso declarou que “a competição estratégica de longo prazo com a China é uma prioridade fundamental para os Estados Unidos”. Não se trata apenas de aspectos econômicos, mas de uma estratégia global que deve ser aplicada em várias frentes. O objetivo é manter o domínio em três áreas: tecnologia, indústrias do futuro e armamento.

Hoje, Trump aspira a uma revisão completa das relações econômicas entre os EUA e China. A crescente guerra comercial é a que mais chama a atenção, mas isso é apenas o prelúdio de uma estratégia mais ampla que inclui investimentos, tanto os investimentos chineses nos EUA como o investimento americano na China. Primeiro, eles visam os setores estratégicos com o objetivo de interromper o avanço tecnológico da China. Nesse sentido, a implantação da rede 5G é crucial e não é coincidência que a Huawei, que está na vanguarda do desenvolvimento dessa tecnologia, tenha acabado na mira dos Estados Unidos.

O governo Trump também está tentando exportar essa guerra econômica com a China para outros países assinando cláusulas em acordos comerciais ou simplesmente pressionando-as. O objetivo é criar uma espécie de “cortina econômica de ferro” ao redor da China.

A estratégia militar dos EUA

A estratégia militar para a China segue dois caminhos: uma corrida armamentista e um confinamento do país (8). A corrida armamentista está em pleno andamento. Os Estados Unidos estão gastando US $ 650 bilhões anualmente em armas, ou seja, mais de um terço do total dos gastos em todo o mundo. Isso é 2,6 vezes mais que a China e 11 vezes mais por habitante. Também gasta cinco vezes mais do que a China em pesquisa militar. O Pentágono está trabalhando febrilmente em uma nova geração de armas, drones e todos os tipos de robôs altamente sofisticados, que derrotariam o futuro inimigo. Uma guerra preventiva também é uma possibilidade.

A segunda maneira é o confinamento militar. A China depende 90% do transporte marítimo para o comércio exterior. Mais de 80% do suprimento de petróleo deve passar pelo estreito de Malaca (perto de Cingapura), onde os Estados Unidos têm uma base militar. Washington pode fechar a torneira do petróleo em um piscar de olhos e a China não tem como se defender contra ela no momento. Na China, os Estados Unidos têm mais de trinta bases militares, pontos de apoio ou centros de treinamento (pontos no mapa). 60% da frota dos EUA está estacionada na região. Se isso for observado em um mapa, não é exagero dizer que a China está fechada e cercada. Imagine o que aconteceria se a China instalasse um único ponto de apoio militar, muito menos uma base militar perto dos Estados Unidos.

É nesse contexto que a militarização de pequenas ilhas no mar do sul da China deve ser considerada, bem como a reivindicação de grande parte dessa área. A supervisão das rotas marítimas pelas quais seus produtos energéticos e industriais são transportados é de vital importância para Pequim. É nesse mesmo contexto que a Nova Rota da Seda deve ser contemplada.

Campeão da poluição e da economia verde

Desde o final dos anos 80, a China entrou em uma fase de desenvolvimento que causou grande poluição ambiental. Como ‘fábrica do mundo’, é um dos maiores poluidores do planeta. Atualmente, o país também é – de longe – o maior emissor de CO2, embora as emissões por pessoa sejam menos da metade das dos EUA e aproximadamente do mesmo tamanho que os da Europa. Deve-se acrescentar também que a China é responsável por apenas 11% das emissões históricas acumuladas, enquanto os países industrializados são responsáveis por mais de 70%.

A situação é insustentável. Se continuasse na taxa atual, entre 1990 e 2050, a China teria produzido tanto dióxido de carbono quanto todo o restante do mundo entre o início da revolução industrial e 1970, e isso seria catastrófico para o aquecimento climático.

Há dez anos, os líderes chineses mudaram de curso e começaram a dar alta prioridade às questões ecológicas. Em 2014, o primeiro-ministro Li Keqiang chegou a declarar a “guerra à poluição”. Uma série de medidas foi desenvolvida, incluindo legislação exemplar no campo do meio ambiente, mas sua aplicação nem sempre é evidente.

Os resultados já podem ser observados. No curto prazo, a China se tornou o número um no campo de painéis solares e energia eólica. Atualmente, a China produz 33% de eletricidade através da energia verde, em comparação com menos de 17% nos Estados Unidos. A China investe hoje em tecnologia verde e no resto do mundo como um todo. Quer capturar e armazenar milhões de toneladas de CO2 no subsolo em um futuro próximo.

O país também é pioneiro na transmissão a longa distância de grandes quantidades de energia (por exemplo, de campos distantes do painel solar), o que é muito importante para o fornecimento de energia verde das cidades. Segundo dados da NASA, os esforços sustentados de reflorestamento da China deram uma importante contribuição ao plantio de florestas no mundo, essencial para manter as emissões sob controle. Por outro lado, as empresas chinesas ainda possuem uma grande proporção de extração ilegal de madeira em todo o mundo.

O santo padroeiro do Acordo de Paris sobre o Clima

A China tornou-se o “santo padroeiro do Acordo Climático de Paris” (COP 21, 2015, abordagem: limitar o aquecimento global a um máximo de 2 graus, com 1,5 graus como objetivo). Quando Trump se retirou do acordo em 2017, Pequim disse que faria todo o possível para alcançar os mesmos objetivos da COP21, juntamente com outros, como a União Europeia.

A China também é um mediador entre países industrializados ricos e países em desenvolvimento, que enfatizam que o aquecimento global é essencialmente uma responsabilidade histórica dos países industrializados e, por esse motivo, declaram que os países ricos devem investir recursos tecnológicos e financeiros a disposição dos países em desenvolvimento para combater as mudanças climáticas. Graças aos esforços dos chineses, a grande maioria dos países em desenvolvimento se alinhou aos objetivos da COP21 e apresentou planos climáticos à Assembleia Geral das Nações Unidas nos últimos meses.

Ainda existe – obviamente – um longo caminho a percorrer na própria China, mas estão na direção certa. Prova disso é o anúncio, em meados de 2017, de que a China alcançou seus objetivos climáticos dois anos antes da data acordada de 2020. Também está no caminho de cumprir os acordos do Acordo de Paris sobre clima para reduzir as emissões de CO2 a 65% até 2030.

Erros

Muitos erros foram cometidos nos últimos setenta anos. No período inicial, o PCCh tentou introduzir o socialismo às pressas com o Grande Salto Adiante (1958-1961), com consequências catastróficas como resultado. O exagero a esquerda na Revolução Cultural (1966-1976) deixou cicatrizes profundas e levou a um revés à direita. A introdução de elementos de mercado desde 1978 deu rédea solta à exploração capitalista. As consequências foram imediatas: uma lacuna mais profunda entre ricos e pobres e a criação de uma camada de elite capitalista. A margem para enriquecimento pessoal aumentou e causou corrupção e abuso de poder em larga escala. No entanto, essa política de ‘deixar o pássaro capitalista voar na gaiola’ fez a economia chinesa crescer dramaticamente e reduziu bastante a pobreza extrema. O futuro decidirá se essa dinâmica de mercado controlada pode ser mantida sob controle.

Os líderes chineses conseguiram manter o país vasto e muito heterogêneo unido, mas isso foi feito e está sendo feito mantendo certas minorias subordinadas. Tibetanos e uigures se sentem tratados como cidadãos de segunda classe, embora as autoridades chinesas tenham feito muitos esforços formais para remediá-los. Existem muitas questões sobre a abordagem não ortodoxa e muscular das tensões nacionais.

Um ponto a favor é que os líderes chineses não têm o hábito de esconder ou omitir fraquezas ou embelezar problemas. Geralmente, eles são explicitamente reconhecidos e designados. Por exemplo, antes e durante o XVIII Congresso, os principais problemas do país foram nomeados, listados um por um, discutidos e traduzidos em medidas e ações. Essa atitude política racional nos permite aprender com os erros e, se necessário, ajustar o curso.

Estabilidade do planeta

Pela primeira vez na história recente, um país pobre e subdesenvolvido rapidamente se tornou uma superpotência econômica, com um grande impacto no mundo. A China e a Índia estão mudando rapidamente as relações mundiais e transformando o mundo de uma maneira sem precedentes.

Quanto mais a China é independente, mais ela se desvia do caminho do Ocidente, mais ‘o sistema ocidental’ se olha no espelho e mais ela é criticada e atacada. Parece que é difícil para nós observar esse novo ator mundial de maneira aberta. Segundo Mahbubani, “a dúvida dos líderes ocidentais em reconhecer que a dominação do mundo pelo ocidente não pode continuar constitui uma grande ameaça”.

No entanto, teremos que aprender a viver sabendo que não somos mais o centro e o ponto de referência do mundo. Além disso, com a ascensão ao poder do populismo em mais e mais países, com pessoas imprevisíveis e irresponsáveis como Trump, Bolsonaro ou Johnson, a estabilidade e a habitabilidade deste planeta dependerão cada vez mais de pessoas como Xi Jinping e outros líderes sólidos.

Traduzido de Rebelion.org. Publicado com licença Creative Commons.

Notas

  1. Tomamos 1870 como o ano inicial para a Europa Ocidental e 1980 para a China. Medimos a velocidade do processo de industrialização pelo crescimento do PIB per capita. Os números são calculados com base em Maddison A., Ontwikkelingsfasen van het kapitalisme, Utrecht 1982, p. 20-21 en UNDP, Human Development Report 2005, p. 233 en 267. Zie ook The Economist, 5 januari 2013, p. 48.
  2. Hobsbawm E., Een eeuw van uitersten. De Twintigste USA 1914-1991, Utrecht 1994, p. 540
  3. Os números são calculados com base no UNICEF, The State Of The World’s Children 2017 , New York, p. 154-155.
  4. Para a distinção entre entrada e saída da tomada de decisão política, ver Kruithof J., Links en Rechts. Kritische opstellen over politiek en kultuur, Berchem 1983, p. 66.
  5. Bell D., The China Model. Political Meritocracy and the Limits of Democracy, Princeton 2015, p. 179-188.
  6. Luce E., The Retreat of Western Liberalism, New York 2017, p. 166.
  7. No século XVII, a Holanda possuía 25 vezes mais navios que a Inglaterra, França e Alemanha. Hoje, a China tem 20 vezes mais navios mercantes que os Estados Unidos. Maddison A., The World Economy. A Millennial Perspective, OESO 2001, p. 78; Khanna P., Use It or Lose It: China’s Grand Strategy , Stratfor, 9 april 2016.
  8. Para um tratamento mais detalhado, ver Vandepitte M., Trump y China: ¿Guerra caliente o fría?.

Deixe uma resposta